P

Peeling"s Químicos

Os peelings são aplicação de substâncias químicas sobre a pele, com o objetivo de remover as camadas da mesma, renovando a pele através da descamação. Podem ser usados no tratamento da acne, estrias, manchas, rugas finas e flacidez.  A indicação cabe ao medico dermatologista, que, com sua experiência, é capaz de analisar o tipo de pele do paciente, o tipo de lesão e o procedimento mais adequado a ser utilizado.

O paciente deve conhecer o processo do peeling, suas limitações, duração da recuperação e ter uma expectativa real do resultado esperado. A consulta e o acompanhamento dermatológico prévio são extremamente importantes para a detecção de situações que exijam cuidados e para um preparo adequado da pele a ser tratada.

Os peelings químicos podem ser superficiais, médios ou profundos.  Podem ser aplicados na face, mãos, braços, pescoço e colo, sendo utilizados diversos tipos de ácidos de acordo com o resultado que se deseja obter e com a profundidade que se deseja atingir.

  • Peeling Superficial: age na camada mais superficial da pele, chamada de epiderme. É bem tolerado. Exemplos: Ácido Retinóico; Ácido Glicólico, ou outros Alfa-Hidróxi-Ácidos; Ácido Salicílico
  • Peeling Médio: remove totalmente a epiderme atingindo o nível da derme papilar (segunda camada), apesar disto, apresenta poucos riscos e complicações. Exemplos:  Ácido Glicólico (em concentrações mais altas); Ácido Tricloroacético associado com Solução de Jessner ou Ácido Glicólico.
  • Peeling Profundo: remove totalmente a epiderme e sua profundidade, até o nível da derme reticular (a mais profunda). Apresenta riscos maiores de complicações, como hipocromias (manchas claras), hipercromias (manchas escuras), cicatrizes. Indicado para o tratamento de rugas profundas e flacidez. Exemplos: Ácido Tricloroacético (em concentrações mais altas); Fenol (Fórmula de Baker-Gordon).

A aplicação do peeling químico pode ser repetida em intervalos variados, conforme a indicação do dermatologista.